Relatório do fabricante inclui um diagnóstico sobre a situação das redes corporativas e as impressões de mais de 2 mil líderes de TI

Redes 9 de janeiro de 2020

Uma rede sólida é essencial para atuas negócios digitais, seja para otimizar a experiência do cliente ou manter os dados protegidos e seguros, a rede é a base do sucesso de uma empresa. Ao mesmo tempo, a rede está dentro de um contexto de diversas mudanças no setor, abrindo oportunidades constantes de inovação.

E para saber as tendências deste mercado para este ano, a Cisco perguntou a mais de 2 mil líderes de TI e estrategistas de rede o que eles pretendem priorizar em termos de investimentos e condições de suas redes, bem como de suas impressões e aspirações para o futuro. O relatório completo Cisco 2020 Global Networking Trends Report está disponível para download aqui.

 

Confira abaixo algumas das principais descobertas reveladas no relatório:

A grande prioridade dos líderes de TI e estrategistas de rede é maximizar o valor de negócio da TI e alinhá-la mais às necessidades das empresas

Quase 40% dos líderes de TI apontaram a maximização do valor de negócio da TI como sua maior prioridade, acima de simplificação de operações, otimização da produtividade dos funcionários e minimização de incidentes de segurança.

A fim de conseguir isso, líderes e estrategistas acreditam que é crucial investir em tecnologias de IA. Quase 50% dos estrategistas de rede acham que elevar o uso da analítica e da IA ajudará a viabilizar a rede ideal.

 

A rede baseada em intenção está chegando, permitindo que as organizações se desenvolvam a partir de suas redes definidas por software

41% dos entrevistados afirmaram ter pelo menos um caso de SDN em pelo menos um de seus domínios de rede. Apenas 4% dos entrevistados acreditam que suas redes passaram de definidas por software para baseadas em intenção. No entanto, 35% acreditam que suas redes serão completamente baseadas em intenção em um prazo de dois anos.

 

Os líderes e estrategistas de TI estão prontos para adotar a IA e a automação

Apenas 18% dos líderes de TI consideram que a falta de maturidade da IA seja um obstáculo para a modernização das redes, o nível mais baixo de preocupação indicado nas respostas.

72% dos entrevistados planejam obter informações preditivas ou remediação prescritiva da IA nos próximos dois anos, e 94% dos participantes acreditam que terão uma rede de área ampla definida por software (SD-WAN) daqui a dois anos. Além disso, 47% dos proprietários de SD-WAN pretendem ter uma WAN otimizada pela IA dentro de dois anos.

 

As operações de TI estão com dificuldades para deixarem de ser reativas e se tornarem proativas, o que prejudica sua capacidade de se alinharem melhor a seus negócios

Mais de 75% dos líderes e estrategistas de TI acham que suas organizações não são preditivas ou otimizadas em termos de negócios. Uma possível explicação para o fato é o tempo que gastam para manter o status quo de suas redes; 73% das equipes gastam mais da metade de seu tempo nisso.

Outra barreira para operações mais proativas e otimizadas para os negócios são os silos operacionais. Cerca de 29% das organizações identificaram a coordenação com outras equipes de TI como sendo a atividade operacional que mais consome tempo. Outras 27% indicaram que o design em silos e a abordagem operacional entre domínios de rede separados as impedem de conseguir modernizar suas redes.

 

Líderes e estrategistas de TI não se preocupam com a qualificação deficitária

Os líderes e estrategistas expressaram confiança na capacidade de suas equipes para lidar com futuros desafios relativos às redes. Um terço dos líderes de TI acredita que suas equipes estão extremamente bem preparadas para atender a todas as necessidades de uma rede avançada, outros 40% as consideram bem preparadas e apenas 7% acham que seus times não estão preparados.

No entanto, a falta de qualificação continua sendo uma barreira para mais de um quarto das equipes de TI. Aproximadamente 27% dos líderes de TI identificaram que a falta das habilidades necessárias é um dos principais obstáculos para que haja transição para uma rede avançada, e 22% indicaram que a requalificação e a atualização são uma grande prioridade para reduzir essas deficiências.